Procure Edições Antigas

quinta-feira, 19 de maio de 2011

(des)Ilusão do Amor - Le Blanc de Neige

"Nada além
Nada além de uma ilusão
Veja bem
É demais para o meu coração
Acreditando em tudo que o amor
Mentindo sempre diz
Eu vou vivendo assim feliz
Na ilusão de ser feliz
"
(Nada Além Orlando Silva)

De vez em quando, eu ouso tocar em palavras que eu nem conheço a origem. Ideias, que muitas vezes eu nem sequer experimentei por completo. Conclusões precipitadas, calorosas, intensas, exageradas. A ideia é essa, ousar desafiar o desconhecido, para que assim seja possivel refletir o conhecer melhor. Há quem diga que isso é realmente perigoso, mas eu não estou em condições de avaliar o risco agora...

O amor é uma coisa realmente difíciu de definir, dificiu de identificar, em nós mesmos e nos outros. Muitos se questionam se realmente existe. Disso eu não tenho dúvida, o amor existe. Eu amo minha mãe, meu pai, minha irmã e sobrinha, os amigos... Mas e aquele amor, aquele sem comrpomisso, aquela magia, os sininhos, o tesão, as histórias de novelas e comédias românticas, dos contos de fadas... Aquilo existe? Mesmo aquele amor ultraromântico, o "mau do século", aquela coisa sublime e inalcansável, aquilo que nos faz sofrer e ainda assim nos vicia. Aquilo realmente existe?  Não, essas ideias são muito certas para serem reais. Por mais ingênua que a pessoa seja, ela sabe que esse é o tipo de sentimento que só existe na nossa cabeça.

Na verdade, esse é o ponto: a nossa cabeça. Nela é tudo perfeito, é tudo possível. Ela torna nossa vida mais doce, molda os fatos a seu jeito, nos ilude. E é tão bom se levar pela ilusão de que tudo pode ser perfeito, por mais que tenhamos certeza de que não pode. Nunca quis nada além disso, algo que suprisse minha imaginação, minhas ilusões, pelo menos a partir de certo ponto em que isso se tornasse possível. Esse é o meu ideal de amor, uma grande ilusão. A morfina que nos cura do tédio, da rotina massacrante. O tal veneno antimonotonia, "a sorte de um amor tranquilo, com sabor de fruta mordida".


Blanc de Neige


Como eu disse, esse é o meu ideal de amor. Ideal, meu. Não posso exigir que os outros pensem como eu, não posso esperar atitudes para comigo visando esse ideal de amor. Não posso nem esperar que todos acreditem no amor, de qualquer forma que ele possa se apresentar. Minha cabeça pode até projetar isso, mas na prática (fudeu), as coisas são bem diferentes. As pessoas complicam, descomplicam. Cada um tem a sua cabeça, e isso é tão maravilhoso que chega até a nos complicar a vida

Como fazer duas cabeças terem a mesma ilusão do amor? Como entrar em sintonia? Eu, sinceramente, não sei. Não ouso dizer que seja impossível, mas acredito que leva uma vida inteira, ás vezes nem isso. E o que são meus 5 anos 20 anos diante de uma vida inteira? É, hoje eu me senti tão ingênuo quanto uma criança de 5 anos... Enquanto isso, só me resta provar do meu próprio ópio: cru, impuro, cheio de efeitos adversos. Como a branca de neve que morde uma maça invenenada na ânsia de do sabor de fruta mordida. Le Blanc de Neige...

"Se o amor
Só nos causa sofrimento e dor
É melhor, bem melhor
A ilusão do amor
Eu não quero e nem peço
Para o meu coração
Nada além
De uma linda ilusão..."
(Nada Além Orlando Silva)



Bom gente, por hoje é só! :D
Já fez um bem danado escrever isso aqui, já posso até dormir agora... :)
Agora é com vocês! rs
Um beijo e um abraço em cada um de vocês! Até o próximo

13 comentários:

melo disse...

ele existe sim, ainda que muitos por aí falem o oposto.

cada um de nós tem mesmo uma idéia pré-concebida do que é o amor e essa idéia é mesmo o ideal romântico da coisa que é belo, até existe mas acaba na prática sendo algo um pouco menos glamouroso.

fato é que confrontar o amor ideal com o real, o que se tem nas mãos pode ser algo frustrante e que eventualmente pode lhe deixar sem nada nas mãos.

a pegada aqui é saber que seu ideal de amor pode muito bem nunca ser o mesmo que de outra pessoa, ainda bem senão viveríamos uma pasmaceira romantica sem fim e do marasmo nunca saiu nada de util.

isso pensando, o truque é fazer encaixar seu ideal com o do outro e vice-versa, isso é o verdadeiro conceito, a idéia central, o grande truque!

não se acerta de primeira e há que se passar o resto da vida ajustando aqui e ali, quem tem paciência consegue um sucesso razoavel...

tente, só assim vai chegar lá.

Lobo disse...

Se ele existe. Boa pergunta. Talvez sim. Mas se existir, acho que não tem uma só forma, ou uma só maneira de ser experimentado.

Edu disse...

Acho que depois do Melo não tenho nada além... é a cigana sandra rosa madalena... te-eu, todo te-eu... a acrescentar!

Paulo Braccini disse...

eu não tenho a menor dúvida sobre a existência do amor ... mas o amor real ... nada deste amor conceituado no imaginário coletivo e alimentado pelas mídias ... o amor é algo q se conquista e se constrói dia a dia, minuto a minuto, no respeito, na cumplicidade, na transparência, junto com o outro ...

Raphael Martins disse...

Lembre que às vezes uma boa amizade é melhor que um namoro. Abcs!!

H A R R Y G O A Z disse...

Have a SUPER weekend !

Ro Fers disse...

Relacionamentos são complicados, dificeis de entender, porém só arriscando para ver se compensa, vivenciando cada situação, afinal cada relacionamento tem suas dificuldades, crises além de bons momentos.
Acredito no momento certo com a pessoa certa... tudo tem sua hora....
Forte abraço!

Sérgio Breneditt disse...

A busca pelo amor...
O anseio em ter alguém pra dividir...
São tantas coisas com apenas algo em comum um coração com sede e fome de outro.

Eis o mundo real, né?
Que venha mais (des)ilusão... Até...
QUE VENHA O AMOR Definitivamente!!!

Abração

FOXX disse...

na minha parva opinião, não acho q seja nada bom se levar por essas ilusões romanticas, dado o fato q elas nunca se realizam, elas só te deixam decepcionado.

Vê esse post de um amigo meu
fala sobre isso
http://demheimweg.blogspot.com/2011/05/o-paradoxo-de-icaro.html

mostra como é malévolo pra vc manter essas ilusões.

Luciana Nepomuceno disse...

Afilhado..."Por mais ingênua que a pessoa seja, ela sabe que esse é o tipo de sentimento que só existe na nossa cabeça." É isso mesmo, até porque todo e qualquer sentimento SÓ existe na nossa cabeça, sejam os amores, as raivas, as desilusões...
Dizia Lacan, amar é dar o que não se tem...por isso, meu querido, não se preocupe, não é no encontro de ideais que o amor se faz mas no encontro de corpos. Ou, como diz o poeta: deixa teu corpo entender-se com outro corpo, porque os corpos se entendem, mas as almas, não.

Dil Santos disse...

Oi Júlio, tudo bem?
Eu acredito completamente no amor, acho ele de fundamental importância em nossas vidas. Pobre aquele que nunca experimentou sentir esse sabor tão especial.
Vote em mim para o prêmio TopBlog 2011, é só clicar no selo que se encontra em meu blog e confirmar via e-mail o seu voto.Ah e ñ se esqueça de fazer propaganda se puder e peça a seus amigos e amigos dos seus amigos tbm. Gente, como sou cara de pau, kkkkkk
Brigadão

SG disse...

Existe sim. Difícil de encontrar. Mas existe.

Saudades da blogosfera. Aos poucos, vou me inteirando de novo!

Abração, Júlio!

inconstanteblog disse...

Ei, eu gosto de te ler já há algum tempo, mas ultimamente acho que seus textos estão ainda melhores... ou eu gostando ainda mais... ou os dois... me senti na "obrigação" de dizer isso aqui.

Bem, esse ideal de amor tão perfeito, tão cura para todos os males eu já tive (o ideal, não o amor rs). E já tive amores muito mais reais e que não deixaram de ser fantásticos. Mas aprendi tbm que esse amor todo ai, esse Romeu e Julieta, ou Werther, como o Foxx prefere (suponho), não existe mesmo.

E como dizem que [satisfação = resultado prático - expectativa], não é mto legal (acredito eu) esperar tanto assim da vida. É como cantam Caetano e Bethânia: quando não queres nada, nada falta. Por outro lado, quanto mais queremos, mais faltará.

Ah, e pena que não te encontrei na Gambi... shame on you hahaha. Encontrei com o Gui na festa e ele me disse onde vc estava (e agora deixarei seus leitores curiosos...)

Xêro!