Procure Edições Antigas

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Não seja promíscuo, Gay...

"Tonight I'm gonna have myself a real good time
I feel alive and the world is turning inside out Yeah!
I'm floating around in ecstasy
So don't stop me now don't stop me
'Cause I'm having a good time having a good time"

(Don't Stop me Now - Queen)

Vamos dar uma pausa nos posts subjetivos e dar lugar a uma coisa mais direta: a argumentação. Pois então, o que motiva esse meu desejo de argumentar foi apenas um comentário, que para a maioria das pessoas pode ter passado desapercebido, mas me chamou muita atenção. Meu amigo Raphael Martins (vulgo Enrustido) foi entrevistado em um blog super legal de conteúdo adulto, e me passou a entrevista para eu ler. O texto dizia muito da personalidade do Raphinha, que ele é um cara muito legal, antenado, careta (haha), e que é apaixonado pelo Juan. O que me incomodou mesmo foi um comentário que ele fez no final da postagem, falando para nos valorizarmos enquanto gays e evitarmos a "promiscuidade". Eis aqui o comentário transcrito:

"Se valorizem. Evitem a promiscuidade. Quem sabe daqui a algum tempo podemos mudar a imagem ruim que a sociedade tem em relação aos gays."

De cara, eu li esse comentário e já ia passar desapercebido por mim também. Mas daí eu voltei, pensei... Tem algo que me incomoda nesse comentário aí...

Não sei, me passou a impressão de que todo gay é promíscuo. Tá, não sejamos hipócritas. Existe sim muita promiscuidade entre os homossexuais. Talvez até possamos associar essa característica aos homossexuais. Mas, não sei... Passou também a impressão de que isso é uma característica exclusiva dos homossexuais, e que esta característica exclusiva era a origem de todos os males que sofremos, ou no mínimo de uma imagem feia que criaram da gente

Pra começar, promiscuidade não é uma característica restrita aos homossexuais. Tanto que existe antes mesmo de a ideia de homossexual existir. Ah, vamos, promiscuidade por promiscuidade, existem muitos outros grupos que estão muito mais associados ao termo do que nós, gays. Um exemplo disso são os padres pedófilos, maridos e esposas adúlteros, prostitutas e profissionais do sexo, enfim. Não sei exatamente quando nem como a promiscuidade foi associada aos homossexuais. Talvez o que nos diferencia em relação a outros grupos é o fato de alguns de nós assumirmos a promiscuidade como algo normal, ou cotidiano.

E de fato, o que tem de errado nisso? Devemos mesmo nos preocupar tantos com estes princípios morais? Se encanássemos com princípios morais, entraríamos num caminho sem volta em direção a negação do nosso próprio desejo. Que desejo? O mais óbvio, sentir atração por pessoas do mesmo sexo. Afinal de contas, isso também não é assim tão bem visto pela sociedade de maneira geral, não é? Isso faz com que, por menos promíscua que a pessoa (gay) seja, de uma forma ou de outra, ela acaba quebrando esse paradigma social que vivemos devido aos tais "princípios morais" simplesmente por ser gay. Claro que não estou falando que, se você é gay, necessariamente tem que ser promíscuo. Mas daí a condenar a promiscuidade (e simplesmente ela) como a causa dessa imagem tosca que temos perante a sociedade cristã ocidental já é demais, né? Por que não ser indiferente, não é verdade? E depois, tanto eu quanto vocês sabemos que o buraco é muito mais embaixo...




Como eu já questionei, será mesmo que somos tão oprimidos assim simplesmente por sermos seres promíscuos e assumirmos isso? Ou será que o simples fato de nossa própria origem ferir os princípios ideais da sociedade já basta? Basta, claro que basta. É só pensar em quantos homossexuais nunca tiveram a chance de terem contato sexual com nenhum ser humano e mesmo assim são mal vistos pela sociedade... O simples fato de você gostar de homens já é motivo para ser alguém à margem. E não, a promiscuidade não interfere nisso. Mas essa situação nos permite algo extraordinário: abrir a mente. Nos dá a chance de pensar que, conhecer outras pessoas, pessoas diferentes, ao mesmo tempo e em tempos diferentes, pode deixar de ser um ato condenável para se tornar um ganho de experiência. Ser promíscuo não é condenável, é apenas um desejo, que diz respeito única e exclusivamente a cada um de nós, de conhecermos outras pessoas e compartilharmos uma coisa maravilhosa com elas: o prazer

Mas isso seria banalizar o sexo, não é verdade? Sim, seria. E o que há de errado em banalizar o sexo? O sexo pode sim ser uma situação de comunhão entre duas pessoas que se amam, mas também pode ser simplesmente uma forma de relaxar e ter prazer. Quem decide isso é a pessoa que faz, e ninguém tem direito de julga-la por causa disso. Há quem diga que é um problema de saúde pública, que existe hepatite B, hepatite C, HIV, HPV, HTLV (melhor eu parar, se não o post vai ficar grande demais), e é fato que camisinha não protege contra todos eles. E daí? Você pode pegar essas doenças com qualquer pessoa, seja ela promíscua ou não, basta ela ter a doença. E depois, ser promíscuo não é ser burro, dá sim para ter o mínimo de critério na hora de escolher um parceiro sexual, seja para uma transa ou para o resto da vida. Uma coisa é você fazer sexo com pessoas que você nem mesmo conhece pessoalmente, outra é fazer isso com pessoas com quem você já tem algum nível de intimidade (amigos e colegas, por exemplo). No final das contas, com um pouco de cautela e tomadas as medidas de segurança necessárias, dá para aproveitar a vida numa boa, sem ficar grilado.

No final das contas, só o quero dizer é o seguinte. As pessoas usam a promiscuidade para justificar preconceitos, homofobia. É só você perguntar a alguém, "Por que não gosta de Gays?" ou "Porque você é contra os Gays?" pra pessoa responder: "Porque são um povinho muito promíscuo". Mentira, hipocrisia. Promiscuidade não define o caráter de ninguém, e a origem do preconceito é muito mais complexa do que simplesmente a promiscuidade. Deixar de ser promíscuo não vai fazer diferença nenhuma na imagem que a sociedade tem da gente, mas vai sim ajudar a reprimir cada vez mais o que sentimos e o que queremos. Não tem nada de errado em querer ter relações sexuais com mais de um parceiro por um curto período de tempo, ou mesmo com mais de uma pessoa ao mesmo tempo, seja(m) ela(s) do mesmo sexo ou não, basta que você tenha o mínimo de critério e tome as devidas precauções.

"I'm burning through the sky Yeah!
Two hundred degrees
That's why they call me Mister Fahrenheit
I'm traveling at the speed of light
I wanna make a supersonic man out of you

Don't stop me now I'm having such a good time
I'm having a ball don't stop me now
If you wanna have a good time just give me a call
Don't stop me now ('cause I'm havin' a good time)
Don't stop me now (yes I'm havin' a good time)
I don't want to stop at all"


 (Don't Stop me Now - Queen)



Ai ai ai... Polêmica, como eu adoro polêmica. Antes que eu me esqueça, quero agradecer ao Raphinha pela inspiração. Espero vocês não pensem que eu sou uma frick bich, como diria a Gaga. Pelo contrário, sou um rapaz certinho, tímido, ingênuo... Mas, entre 4... deixa pra lá. 

Um abraço, biches... Até o próximo!


51 comentários:

Walmir Braga Neto disse...

Cara, que post magnífico. Não foi só a sua escrita que amadureceu: vc tbm. Concordo com tudo o que vc disse, Abraço.

Raphael Martins disse...

Eu ainda acho que os gays passam essa imagem: de serem atirados e promíscuos. Infelizmente todos nós somos colocados no mesmo saco. Devemos mostrar que somos melhores que esses heteros escrotos. Um gay só é valorizado se esforçando o dobro, talvez um triplo que o resto da sociedade. Enquanto houver gays sem vergonha dando em cima de heteros eu manterei minha opinião. A promiscuidade é geral, mas o alerta que fiz na entrevista era pra um blog com leitores gays, com adolescentes até.

FOXX disse...

pois é, o Raphael além de racista e xenófobo, sempre foi muito homofóbico também, não me surpreende nada.

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Perfeitíssimo! Promiscuidade sempre foi algo inerente ao macho e sem qualquer conotação de juízo de valor. No meu tempo de adolescente, todos os machos tinham q ir na zona comer as putas ... isto era um questão de honrar a macheza ... Pai, irmãos, primos todos te incentivavam e cobravam ... Todos os machos casados adoram se vangloriar de suas peripécias de macho ... já comi esta já comi aquela ... Nós gays do sexo masculino incorporamos naturalmente este aspecto de uma cultura machista ... Qdo a sociedade associa a homossexualidade à promiscuidade ela deturpa esta visão e ignora toda a sua permissividade para com a prática, atribuindo-lhe então o juízo de valor de que isto é mal ... é sujo ... é criminoso ... é atentado ao pudor ... qta hipocrisia não é mesmo?
E convenhamos! como são os jovens héteros de hoje eim? menininhos e menininhas de boas famílias por aí, cada dia ficando com um ... menininhas de 12/13 anos q já experimentaram o sexo total sem nenhum tipo de critério e pudor e repetem a prática nas baladas e a cada semana estão com um [o mesmo vale para os menininhos]

Parabéns Júlio! É por aí mesmo!!!

Júlio César Vanelis disse...

@Bratz: seu comentário não poderia ser mais perfeito. Você exemplificou e contextualizou tudo que estava escrito no post! VlW!

@FOXX: Caramba, não sei o que o Rapha te disse, mas deve ter sido algo muito grave...

@Raphael: Leia o post de novo. Acho que você não entendeu o que eu quis dizer. Eu só queria que você visse que deixar de ser promíscuo não vai adiantar nada: vamos ter que provar que somos melhores de qualquer jeito.

@ walmir: é uma honra ter um coment seu aqui, meu amigo! :D

slipknotasy disse...

Até hoje eu pasmo com a inocência e com a culpa que carregamos, os gays. Há uma eterna luta em querer parecer "normal" (e quando digo isso é apenas com referência ao uso estrito da palavra. Aquele dentro do padrão.), depois de algumas horas como gay você repara que não são os heterossexuais que nos cobram esta "normatização, somos nós, com a nossa eterna mania de criar justificativa para a ignorância das pessoas que vemos, conhecemos e por vezes até amamos.
É incrível como as pessoas acham extremamente admirável ouvir comentários do Tipo: "Nossa, você é tão bonito, nem parece gay." ou "Nossa!!! você não dá pinta nenhuma, consegue se fingir de hétero numa boa.".

O que eu quero dizer é: É incrível como as pessoas não percebem que tudo que você tem que fazer para ser um "bom gay" perante à sociedade é fingir que você é hétero. E agem de acordo com isso sem se dar conta.

Raphael Martins disse...

Ui, Raphael é racista, xenófobo e homofóbico ! Prendam ele, agora ! E mesmo assim sempre tem quem queira...
Conte - me como é não ser nada disso e mesmo assim estar só...

Raphael Martins disse...

Eu te inspirei, Dona Vanelis? Faça-me o favor né? rs

E ヅ disse...

Não existe "promiscuidade", existe "sexualidade". E só. Promiscuidade é palavra inventada pela moral cristã ocidental (e talvez outras). Como homossexualismo. Então pra combater a promiscuidade, o caminho é "desmoralizar" esse conceito, a começar pelo uso do termo correto, isento: sexualidade. É o que eu acho.

Anônimo disse...

vc falou bonito, legal, e talz. porém, houve uma coisa que você errou e feio: vc fala sobre doenças sexualmente transmissíveis e no fundo, passou uma imagem de que não é uma via de facilidade para DST's. vamos encarar os fatos que é SIM...

e vc fala tão bem da promiscuidade que nao postou algo ruim dela como se fosse algo totalmente decente na vida das pessoas.

Todo mundo sabe que quem tem fama de "promiscuo", dificilmente vai arranjar um namorado legal na vida, até porque ninguem gosta de pegar algo "usado demais" nessa vida. Pensamento retrógrado? Talves... Mas de fato, esse post apenas contribuiu para que o sexo facil seja difundido mais especificamente, coisa que a rede globo ja faz de sobra.

Dou um 10 pela sinceridade ao falar que a promiscuidade é algo que nao existe apenas no lado LGBT, mas dou um 5 pela falta de discernimento e de apontar apenas o lado "bom" de ser promiscuo.

E me desculpe o povo que vier aqui dizer que nao procura nada sério, porque qualquer humano nesse mundo procura alguem massa e legal para ter algo bom com ele. Até mesmo aqueles que dizem que a putaria é predominancia, até porque se eu colocasse o Harry Louis ou o Rafael Alencar na frente de qualquer pessoa, certamente ela pediria pra namorar com ele, mesmo sabendo que levaria um "não" na cara.

Anônimo disse...

Eu tbm acho que a promiscuidade não é inerente aos gays não, porém quem fica com a má fama somos nós. O cara que pega todas no final da semana ou no decorrer da semana=macho/garanhão, já os gays... Agora eu não sei se vc chama o Raphael de Enrustido por brincadeira ou fala sério mesmo (pois vc pode não acreditar em bissexualidade), mas enquanto não respeitarmos como uma pessoa é ou age, se identifica, não podemos pedir respeito de ninguém (PS: não é um alfinetada). Foxx e Raphael, não briguem meninos. Apesar de os dois terem pontos certeiros de apontar a característica perceptível dos dois quando lemos seus posts e comentários.

Antonio de Castro disse...

gritaria, babado e confusão.

mas o assunto é sério, né?
então vamos lá.

1. qd a gte escreve na blogsfera temos de estar preparado para o julgamento de todos. revidar com ofensas é bobeira.

2. essa história q gay é promíscuo tá pra mais de ultrapassada. até em novela gay não vai p boate, não transa cm qq um e tal.

3. tem viado promíscuo? tem. tem mulher vadia? tem. tem homem cafajeste? tem. e pra tds as categorias tem o contrário.

dizer q o fato de a gte ter uma fama é por causa da "promiscuidade" dos gays é preconceituoso, tanto qt quem um dia ligou gays à promiscuidade.

a promiscuidade tá aí p quem quiser: gay, hetero ou sei lá q outras variações. e nao muda nd na minha vida se fulano é promíscuo ou não. ngm nunca me tratou como promíscuo pelo fato de os gays serem promíscuos. as pessoas sabem quem fode cm td mundo e quem nao fode.

Júlio César Vanelis disse...

@Edu: Achei legal seu ponto de vista. Não tinha pensado por esse lado...

@Anonimo 1: Esse post não tem nada a ver com relacionamento. Trata sim da vida sexual de cada pessoa, e isso é algo individual. E quanto às DST's, não eliminei a possibilidade delas não. Agora, é fato que deixar de fazer sexo não vai adiantar muita coisa. Você vai correr risco de qualquer jeito. O meu objetivo não foi falar bem da promiscuidade, foi simplesmente quebrar um tabu, e dizer que a vida sexual de cada um depende apenas da própria pessoa, ninguém tem o direito de julgar ou de definir o caráter da pessoa baseado nisso.

@Anônimo 2: hahah, eu sou amigo do Raphael. Ele me chama de "passiva" e eu chamo ele de "enrustida", é apenas uma brincadeira de amigos. Não é hábito meu desrespeitar a identificação sexual alheia. E sim, eu acredito na bissexualidade.

@Rapha: Não parte para a apelação de cunho pessoal. Minha intenção é de que seja uma discussão civilizada. Escolha argumentos válidos, pois quem sabe da vida do Foxx é ele, né? ;)

Júlio César Vanelis disse...

@Antônio: É por aí mesmo, cara. Só que além disso, eu ainda ressaltei que promiscuidade não define caráter. Ou seja, mesmo que todos saibamos quem dá ou não para todo mundo, não é nosso direito taxar a pessoa por causa disso...

Raphael Martins disse...

Apelação,Vanelis? Ele começou... agora ele que aguente !

E adorei os coments dos dois anônimos. Queria os dois no meu blog !

Pelo visto o Antônio pensa como vc, por isso se deram bem... rs.

E pro anônimo que questionou o Vanelis me chamando de "enrustida" : Relaxa... somos amigos e temos intimidade a esse ponto.

Raphael Martins disse...

E não entendi a foto do Bolsonaro, Vanelis... detesto esse cara ! rs

Raphael Martins disse...

Edu, não entendi seu coment. Na sua opinião ser promíscuo é ter a sexualidade mais aflorada? :p

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Palmas para o Edu e para o Antônio!!!

Raphael Martins disse...

Eu ainda acho a promiscuidade uma forma de desespero de mentes conflitosas que não querem - ou não conseguem, como alguns que comentaram - uma relação séria com alguém. Conheço vários exemplos. Eu, por exemplo não namoraria alguém que já deu ( ou comeu ) metade da torcida do flamengo.

Raphael Martins disse...

O Bratz adora ver o circo pegar fogo...

DPNN disse...

não li a entrevista ainda, mas entendo o que o Raphael quis dizer e até concordo que os gays são mais promíscuos sim do que os héteros, basta imaginar que só em balada gay tem darkroom e que as pessoas chegam a fazer sexo não só com desconhecidos, mas com quem nem está vendo. Mas cada um faz o que quer da sua vida e acho que adultos podem fazer o que bem entenderem com a própria vida, desde que não seja crime.

Por outro lado, acho que o problema desta questão é outro: a ideia de que as pessoas representam as outras. O que eu faço da minha vida é problema meu, não estou agindo em nome "dos gays". É por essas e outras que a gente sempre diz lá no blog que é contra essa ideia de ver os gays como um grupo ou como uma classe. Se não existisse essa ideia - criada pelos marxistas malas - esse tipo de discussão seria inimaginável.

Júlio César Vanelis disse...

@Raphael: hauahauahauahauahauahauaha. A cada comentário seu você se mostra mais retrógrado, cara. Você está cometendo justamente os erros que eu condenei na postagem. Olha só, primeiro, a vida sentimental e sexual do Foxx não diz respeito a ninguém aqui, muito menos a você. Numa argumentação civilizada, vc não deve lançar mão de estratégias emocionais para fazer valer sua opinião. Isso enfraqueceu ainda mais a sua posição. Segundo, Você dizer que a promiscuidade é coisa de alguém que não quer e não consegue ter um ralacionamento sério já é julgar as atitudes alheias. Isso, se não é falta do que fazer da sua parte, é simplesmente descabido. A vida amorosa e sexual de ninguém te diz respeito, e é isso que eu quis abordar aqui. E depois, eu tenho contra-exemplos clássicos. Um deles é um amigo meu, que já namora há mais de 4 anos e mantém uma relação aberta, tanto ele quanto o namorado se relacionam com que quiserem, e são muito felizes assim. Quer outro? Leia a blog do Wans (http://staywilde.blogspot.com/), ele e o Melo já estão casados há muito tempo (nem lembro mais quanto, acho que mais de 10 anos) e são bem desencanados com relação a isso. Vc está limitando o tema a assuntos que te são convenientes. Entende?

@DPNN: Concordo com você também. ó discordo quando você diz que os gays são mais promiscuos que os heteros. Você citou as darkrrons, e se esqueceu dos bailes funks, das festinhas particulares e bacanais organizados por jogadores de futebol ricos, das casas de tolerância (puteiros, com o perdão da palavra). A única diferença entre tudo isso e as nossas darkroons é justamente o que eu já falei: nós tratamos isso como algo natural, é algo mais pronunciado, menos escondido, entende?

Enfim... To adorando a discussão! :D

FOXX disse...

que deselegante, Raphael, de verdade. que deselegante! vc me atacar por saber que isso é meu ponto fraco só faz qualquer pessoa perceber que vc não tinha contra-argumentos. mas eu não vou discutir aqui com vc, mas é bom saber q eu estava certo.

Serginho Tavares disse...

Primeiro, parabéns pelo post, Júlio. Concordo com o que disseram Bratz e Edu e sem querer por lenha na fogueira... Faz parte da natureza humana o sexo. Esta coisa de catalogar o ser humano em bons e maus ou em heterossexuais e homossexuais não faz e nem nunca fez parte da natureza humana assim como amor e sexo não tem nada a ver um com o outro também. Daí resolveram inventar uma palavra chamada promiscuidade para todas aquelas pessoas que fazem sexo sem amor.
De qualquer forma esta discussão é imensa e remete às paradas gays que muitos acham desnecessária quando na verdade é apenas uma celebração. Nos remete a todas aquelas pessoas que no passado foram presas, mas lutaram e até morreram para podermos hoje em dia termos eventos como estes em todo o mundo.
E meu querido Raphael Martins, que deselegante! O Foxx, Antonio de Castro e Júlio César não precisam ter suas vidas expostas aqui não é?
Enfim, parabéns a todos aqueles que vivem sua sexualidade e são felizes. Afinal sexo é bom e todo mundo gosta!
Beijos.

J.A. Vanelis disse...

Como tenho acompanhado constantemente o seu Blog e me senti no direito de comentar também. Acredito que é muito fácil aceitar a promiscuidade homossexual como algo comum. Mas a realidade é muito mais complicada. Está certo que promiscuidade está em qualquer lugar, e que a hipocrisia da sociedade em geral acaba direcionando toda a atenção para os gays. Porém a ser promíscuo é algo negativo de qualquer jeito. Quando falo de promiscuidade, não está relacionado com as intimidades que acontecem entre quatro paredes, ou mesmo de infidelidade, porque isso é muito comum... Não é disso que estou falando... Mas você tem que concordar que é muito comum o cara entrar num banheiro masculino pra fazer o babado... Banheiro público! Isso não é muito comum entre os heterossexuais. E é justamente isso que choca. A nossa sociedade já tem certa opinião formada, e se o desejo dos gays é realmente ter o respeito tão almejado ao longo dessa caminhada contra o preconceito, será necessário, de alguma forma, tentar se encaixar nos parâmetros da sociedade (ainda que hipócrita). Caso contrário, de que adianta fazer passeata, ir para a TV falar sobre o preconceito, dar lição de moral sobre como tratar o próximo? Não estou falando da violência sofrida pelos gays, pois isso não tem justificativa, mas quantos gays eu conheço que sofrem porque não se encaixam nesses estereótipos criados pelos próprios homossexuais, quantos gays que não querem ser promíscuos, e acabam sofrendo por amor, porque querem ter uma só pessoa? Acredito que boa parte dos estigmas carregados pelos gays está relacionada justamente a isso.

Ricardo Ayla disse...

Eu sou o dono do comentario do anonimo1 la em cima.

@Julio, O que de certa forma critiquei foi que vc falou muito bem sobre o lado promiscuo da coisa, mas nao quis falar sobre o lado ruim e de certa forma, "perverso" que ela tem hj em dia.
O Fator namoro que eu falei foi em relaçao a que ninguem vive de boate/banheirão/sauna/cinemaporno 24h per day. Existe uma hora que a essencia da pessoa vai aparecendo de uma certa forma...

Eu te dei sim, os parabens, pelo valor que vc deu a promiscuidade, como algo que TODOS (gay, bi, travestxyyyyyyyy, transex, "hétero", sei_la_o_que_esse_bicho_é)temos e vamos ter, seja na cama com uma pessoa, duas, tres... Isso te dou os parabens.

Mas como todo lado bom, tem o ruim tbm. Talves isso eu nao tenha curtido tanto, porque se vc expos o lado legal da coisa, vc acaba criando um esquema de influência de que isso seja tudo pra vida de alguem.

Tanto a "sociedade hétero" quanto a gay, gostam de expor na cara das pessoas o lado "diferente"... As pessoas gostam de ser santas, taxar as outras, apontar os "Defeitos" e o lado diferente de ser que cada um tem em si.

E sim, nao falei que devemos deixar de fazer sexo, falei que o fato de fazer sexo com qualquer um nao vai deixar de ser uma via de facilidade para DST's, até porque na hora do tesão, quase ninguem para pra ver se o pau/bunda da pessoa ta bem legalzinha, sem mancha, etc.

"E é justamente isso que choca. A nossa sociedade já tem certa opinião formada, e se o desejo dos gays é realmente ter o respeito tão almejado ao longo dessa caminhada contra o preconceito, será necessário, de alguma forma, tentar se encaixar nos parâmetros da sociedade (ainda que hipócrita)"... Ta ai uma frase legal que tirei do post acima.

ps: Aloka, julio x raphael vai dar casamento, okvlw sou foda, #oraclefeelings

Júlio César Vanelis disse...

@Serginho: É isso aí, amigo. O Sexo é parte da natureza humana. Vc disse muito bem. E obrigado, de fato nem eu, nem Foxx e nem Antonio precisamos ter nossas vidas expostas aqui simplesmente pq o Raphinha não conseguiu sustentar sua contra-argumentação... rs

@Nana: Precisamos conversar melhor sobre isso. Quando falamos deste assunto, é algo tão abrangente que muitas vezes é necessário pegar apenas um recorte do assunto para termos algo coerente. Eu não quis comentar abertamente sobre o fator "banheirão", simplesmente porque não foi esse aspecto que eu quis salientar. Eu simplesmente quis falar da promiscuidade no seu aspecto mais básico: simplesmente o direito que uma pessoa tem de se relacionar com quem quiser ou com quantas pessoas quiser sem ter que ser taxado por isso. Eu não sou a favor da prática do banheirão por que sim, nesse caso, é um problema de saúde pública. Eu até critico isso no texto de forma bem discreta, quando digo que a promiscuidade pode ser algo sem risco, se a pessoa tiver o minimo de critério. Praticar banheirão, na minha visão, é não ter critério algum, mas eu não vou criticar ninguém por isso. Ningém é perfeito, quem sou eu pra julgar. A única coisa que eu vou ter em mente é que não vou adotar essa prática pq não acho interessante para mim. Com relação a conquistar o respeito tão almejado, Nana, eu pelo menos não almejo respeito algum, eu exijo respeito, enquanto ser humano. Não adianta tentar se encaixar nos parâmetros da sociedade, por que isso significaria ir contra nossa identidade enquanto gays, ou seja, se encaixar nos parametros da sociedade (e com hipocrisia) seria voltar para o armário, e não é isso que queremos. Desse modo, nossa única alternativa é deixar as opiniões formadas da sociedade de lado e tentar formar uma nova na base do choque, sim, o choque é a nossa única arma, e é por isso que fazemos passeatas, discursos, ou nos recusamos a mudar de conduta. A sociedade tem que perceber que, por mais que não gostem da gente, vão ter que nos engolir sim, por que somos seres humanos e a liberdade é nosso direito inalienável. Só isso.

@Ricardo: Primeiro, obrigado por se identificar. Segundo, eu não mostrei o lado ruim da promiscuidade por que meu objetivo não era esse. Eu não quis ignorar que existem sim práticas perigosas que envolvem a promiscuidade, como citei acima no caso dos banheirões. Mas isso, cara, é assunto para outro post, com outro foco. Eu só quis falar aqui de promiscuidade no sentido de fazer sexo com mais de uma pessoa em curto espaço de tempo ou ao mesmo tempo, e até sugeri condições ideiais para isso, como ter algum tipo de critério para escolher parceiros. Não gosto de sexo com desconhecidos, por exemplo, e isso eu expliquei no texto. O sexo pode ser seguro de qualquer forma, basta ter bom senso. A questão das DST's não se aplica aqui, se você tem bom senso e critério, não tem porque se preocupar. Se fossemos falar de DST aqui, meu filho, seria um post só para elas. Entende? E outra, se fossemos tirar toda a sociedade gay pelo que acontecem nos banheirões,poderíamos tirar, por exemplo, todas as mulheres como prostitutas, ou todos os padres como pedófilos. Porque um fato ruim, só porque é praticado preferencialmente por gays, é pior do que os outros ou choca mais do que os outros? Por que este fato representa o grupo por inteiro? Só vou admitir que a maior parte dos gays fazem banheirão no dia que me apresentarem a estatística disso. Pouquíssimos dos gays que eu conheço são adeptos dessa prática, não é justo você julgar o grupo todo dessa maneira, isso eu vejo como preconceito mesmo. Mas enfim, estou me alongando demais... hahahaha

ps: nunca que vou me casar com esse trouxa, primeiro pq sou amigo do namorado dele, e segundo pq não gosto de enrustidos... hahahahahahahahahahah #brinks

SG disse...

O que a sociedade condena mais: uma mulher que transa com três homens, ou um homem que transa com três mulheres?

Os fatos são os mesmos, entre homens e mulheres, entre gays e héteros. Apenas o filtro ocular e moral das pessoas é que catalizam a forma de encarar a realidade.

Eis a gênese do preconceito e da discriminação.

Portanto, acredito que o preconceito contra os gays não nasce por causa de ser gay, mas sim por causa dos reflexos dessa condição nos sensores subjetivos de cada um.

Júlio César Vanelis disse...

@SG: "Os fatos são os mesmos, entre homens e mulheres, entre gays e héteros. Apenas o filtro ocular e moral das pessoas é que catalizam a forma de encarar a realidade."

Concordo nisso com você...

Gabriel B. disse...

o raphael pra mim a mto já mostrou quem de fato é... SEM MAIS.

júliooooo: http://eununca300.blogspot.com.br/ meu blog novo! o meu antigo deu uma paradinha hehehe

bjuu

Raphael Martins disse...

Ué, DOUTOR Foxx, vc entrou aqui só pra me atacar e ainda se faz de vítima?
E não neguei nada do que você falou e nem me ofendi. Vc estava certo. Satisfeito? kkkk

Raphael Martins disse...

O clubinho do Foxx tá em peso aqui. Nasceu até uma ruga de preocupação na minha testa. Putz...
Engraçado que só os promíscuos me atacaram, né? A carapuça serviu direitinho. E olha que não falei nomes lá naquela entrevista... hehehehe

Raphael Martins disse...

Enfim, alguém de fora da patota. Parabéns pelo coment, Ricardo!
Mas casamento? Pegou pesado. Já sou comprometido e a Vanelis é quase uma irmã pra mim. Ficamos só na provocação. Mas o restante do povo é maldoso mesmo... rs

Vinicius disse...

Olha, eu concordo com o Rapha.

Falar que tem muita mulher e homem hétero sendo promíscuo é redundante e não diminui a má reputação que os gays têm, justamente, por serem promíscuos.

A diferença entre a promiscuidade gay e hétero, é que a hétero não é divulgada. Agora, a maioria dos gays promíscuos adoram promover a promiscuidade e se acham a Ursurpadora por isso.

É claro que nem todo gay é promíscuo, mas esse "conselho" que o Rapha deu, pode servir de reflexão pra todos nós lutarmos para desconstruir essa imagem que a sociedade tem de nós.

Não entendo o porquê de tanta revolta aqui rs

É como uma frase que já ouvi: "Pra iniciar uma guerra, nem sempre é necessário atirar bombas, às vezes, basta você expressar sua opinião". Isso resume perfeitamente os comentários rs

Abraço e acalmem-seeee!

Anônimo disse...

Leio esse blog há tempos. Essa postagem gerou polêmica, mas acho que as pessoas se preocuparam mais em atacar a opinião dos outros do que expor uma opinião sobre o assunto. É por essas e outras que os gays não conseguem nada em relação aos seus directos. Eles lutam uns contra os outros. A promiscuidade é uma opção que desvaloriza aquele que a practica. Mas vai de cada um querer se desvalorizar ou não. Se você acha que não vale nada, seja promíscuo. Mas se acha que ainda tem salvação , valorize-se.
Grande abraço a todos.

FOXX disse...

"clubinho do foxx"?

"só os promíscuos se incomodaram"?

já pode gargalhar?

FOXX disse...

e para ficar claro, Raphael, eu não te ataquei, eu falei a verdade sobre vc. seria um ataque se eu tivesse mentido ou usado algo que vc tem vergonha para me dirigir a vc. vc se orgulha de ser racista, afinal vc defendeu o Mein Kampf!, machista, vc vive falando mal sobre mulheres, e homofóbico, sobre esta situação específica, deixou bem claro aqui e no seu blog que tem muito orgulho de suas opiniões, e que vai defende-las sempre. então pq qndo eu apenas rotulei suas opiniões, isso eu realmente fiz, eu estava te atacando?

Júlio César Vanelis disse...

O mais interessante desse meu post foi perceber que ainda falta muito para as pessoas amadurecerem no sentido da igualdade entre pessoas de orientações sexuais diferentes. Aliás, mesmo os gays tem uma visão totalmente autodesfavorável, como se tudo que praticássemos fosse maior ou mais pesado do que o que qualquer outra pessoa faça.

@Vinícius: Acho que a questão não é essa. O que eu quis dizer foi que a promiscuidade só é tida como "má reputação" para os gays porque serve como justificativa para o preconceito. Não existe motivo evidente para se odiar um gay a ponto de espanca-lo na rua, por exemplo. Mas se você chega e diz que ele é promiscuo, é como se o seu preconceito fosse uma punição pela promiscuidade dele. E sinceramente, acho que o fato de a promiscuidade gay ser assim tão declarada não é um aspecto negativo, pelo contrário. Ganhamos dos heteros nesse aspecto justamente por não sermos HIpÓCRITAS e assumirmos os nossos desejos. Pra que continuar vivendo num mundo de aparencias? Acho que grande parte dos problemas da nossa sociedade se dá justamente por causa da Hipocrisia. Um dado interessante, sabia que a prevalencia do HIV era maior no inpicio dos anos 80 entre homens bissexuais que mantinham atividade sexual com homens fora de casa mais ainda assim mantinham relações com a esposa? Sabia que até pouco tempo atras a prevalencia do HIV era bem granbde em mulheres casadas que só mantiveram relações sexuais com u unico homem? Muita gente ainda acredita que o HIV circula principalmente entre os gays (entenda gay como o homossexual assumido), mas isso já não é verdade há muito tempo. E sabe pq? Pq ao assumirmos nossa promiscuidade nós acabamos nos protegendo. E essas mulheres casadas que contrairam o vírus só foram vítimas da hipocrisia dos seus maridos. Só para exemplificar como a hipocrisia é muito mais prejudicial do que assumir seus desejos livremente.
Outro ponto que me incomodou um pouco no seu comentário foi esse aqui: "Agora, a maioria dos gays promíscuos adoram promover a promiscuidade e se acham a Ursurpadora por isso.". Concordo plenamente com você, agora... 99,9% dos heteros também adoram promover a promiscuidade deles dizendo para todo mundo com quantas mulheres já foi pra cama, a promiscuidade também é motivo de orgulho para os heteros. Mas então porque para os heteros a promiscuidade é orgulho e para nós gays é O MOTIVO da nossa 'má fama' perante a sociedade? A exaltação da promiscuidade é algo característico do pensamento machista, e sim, os gays são machistas, pq não seríamos? Afinal de contas, fomos criados por heteros em uma sociedade machista. Normal absorvermos muitas características desse tipo de pensamento. Mas eu sempre defenderi a igualdade, e se somos iguais, os heteros machistas também deveria levar a má fama pela promiscuidade deles, ou a nossa deveria ser tratada igualmente como comportamento natural e esperado digno de admiração.
O comentário do Rapha foi muito ingênuo e raso, na minha opinião. O que eu tentei foi oferecer uma visão mais aprofundada desse aspecto para demonstrar que, primeiro, a promiscuidade é uma característica humana, e nós como seres humanos tendemos a agir assim; e segundo, desconstruir essa imagem não vai melhorar nossa visão perante a sociedade mas nem um pouquinho, até pq a promiscuidade é só uma desculpa para sustentar os preconceitos.
De qualquer jeito, muito obrigado pela visita... E não me leve a mal pelos comentários (isso vale para todos), só estou defendendo minha visão dos fatos! ;)

Júlio César Vanelis disse...

@Anônimo: Considerando a NOSSA sociedade, não é a promiscuidade que que desvaloriza aquele que a pratica, mas sim assumirmos a promiscuidade. Um dos pilares mais fortes dessa nossa sociedade cristã-ocidental é justamente a hipocrisia (como comentei acima), sendo mais específico com relação ao tema, é sim permitido ser promiscuo e se valorizar, desde que os outros não saibam que você é promiscuo. Agora, nossa intenção em assumir a promiscuidade como algo natural não é se desvalorizar, mas sim destruir esse pilar forte da sociedade que é a hipocrisia. O movimento gay, desde sua gênese (pelo menos em ideologia) tem como um de seus objetivos quebrar esse pilar de hipocrisia em nossa sociedade, não só assumindo a promiscuidade como algo natural e que não deve ser escondido, mas o simples fato de assumir a própria sexualidade ou assumir o próprio comportamento afeminado já vão de encontro a sociedade hipócrita (afinal, em nossa sociedade, é sim permitido fazer sexo com pessoas do mesmo sexo, desde que ninguém saiba e desde que você não demonstre isso em seu comportamento). Eu acredito que o rompimento com a hipocrisia é o primeiro passo para uma sociedade igualitária de verdade. Agora, tenho que concordar, nós gays somos um grupo desunido, dividido, e é justamente pelo fato de uns ainda estarem muito presos aos padrões da sociedade cristã e outros já terem rompido com esse tipo de raciocínio conservador. Muito obrigado pelo seu comentário também...

Muito obrigado a todos... Estou adorando os comentários mesmo, principalmente os que discordam de mim. Acho que a discussão SAUDÁVEL um ótimo exercício. Muito obrigado mesmo pelos comentários relacionados à MINHA POSTAGEM. Sobre os comentários de cunho pessoal, prefiro nem comentar... rs

Beijos

teago de assumpcao disse...

aplaudindo de pé pelo o seu post..
adorei...
sem palavras...

railer disse...

gostei muito do seu texto, júlio. sexo é bom, todo mundo faz e poucos têm coragem de admitir isso. por que você acha que crucificaram tanto madonna na época 'erótica'? porque ela falou em alto e bom som o quanto o sexo é algo bom e não deveria ser escondido.

Raphael Martins disse...

DOUTOR Foxx... não entendo onde entra o racismo, homofobia e xenofobia nesta postagem do meu amigo Julio César. Se a sua intenção é jogar meus amigos contra mim sinto lhe informar que não funcionará. Todos já estão vacinados. Agora se fôssemos falar dos seus defeitos... aí sim daria uma hiper postagem. Vc pode conseguir ludibriar alguns fracos, mas os que estão do meu lado não me deixarão.

O Verônico disse...

Existe uma linha bem tênue que separa o sexo da promiscuidade e outra mais tênue ainda que separa o seu direito de opinar ferindo a opinião alheia.

Acho que a postagem foi ótima, a entrevista foi sincera e é isso o que vale. Só os comentários que foram irrelevantes. Já começaram com adjetivos ao Rapha... Me pareceu que usaram o assunto como desculpa pra crucificá-lo rs

Abraço do Verônico.

melo disse...

o que é ser promíscuo? somos todos criados para achar o sexo uma coisa suja e não natural e que deve ser feito apenas com amor e com a pessoa certa.

isso é verdade? sim, em termos, sexo com amor é algo incrível mas acima de tudo é uma função nossa que precisa ser atendida como dormir, comer, respirar. somos forçados a 'sujar' algo que deveria ser do prazer, culpa milenar imposta por regras e preceitos tão velhos quando o pecado original.

não existe promiscuidade mas gente que faz mais ou menos sexo porque sua escala de necessidades vitais assim demanda. fazer sexo com quem se conhece ou com desconhecidos deveria ser algo tão normal como trocar de meias.

claro, as raias da compulsão são outro assunto mas ainda assim, não é essa estrada de excessos que leva ao saber, alguém disse?

errado é apontar o dedo e emitir sentenças de comportamento tentando forçar algo que do humano a ser des-humano, nojento, reprovável, antes fosse encarado como normal, como nosso, do corpo e da alma (sim, porque não?) e talvez até mesmos muitos dos preconceito cairiam por terra e nós gueis teríamos esse estigma de sujos sexualmente desassociado de nós ainda que, a bem de verdade, possamos dizer que, em relação aos heteros, tenhamos um pouco mais de liberdade no sexo.

sexo ruim, meu bem, é o sexo que não fiz...

Raphael Martins disse...

E o Gabriel Bruno já mostrou quem é tb. A foquinha do circo do Foxx... PARABÉNS !!

Lobo disse...

Também não vejo problema nenhum na questão da promiscuidade. cada um com o que te apetece.

No mais, copio e colo o que o Edu disse, sem tirar nem por:

"Não existe "promiscuidade", existe "sexualidade". E só. Promiscuidade é palavra inventada pela moral cristã ocidental (e talvez outras). Como homossexualismo. Então pra combater a promiscuidade, o caminho é "desmoralizar" esse conceito, a começar pelo uso do termo correto, isento: sexualidade. É o que eu acho."

Junnior disse...

Olá queridão.
Antes de qualquer coisa, assim, aprioristicamente, parabéns pela abordagem acima. Admirável!
Obrigado pela sua visita. Adorei. Vim agradecer, mas, diante do li agora, já passo ao comentário.
Como disse, está tudo mastigadinho e claro. E muito do q escreveu bate com minha linha de pensamento.
Se me permite, só acrescentaria algo que completa o que penso a respeito.
Essa ideia da promiscuidade ainda é a velha cultura e demandará mais algum tempo pra se dissipar ou se equiparar proporcionalmente aos héteros.
É a antiga imagem dos gays, de há mais de uma década, quando viviam se pegando em guetos, à margem da sociedade, porque ninguém admitia que fosse diferente.
A participação social, até então, era meramente figurativa e, quase sempre, como o bobo da corte.
Se o cara era afeminado, todos imaginavam que era gay, mas ninguém queria saber o que fazia, com quem e, muito menos, se ele projetava uma vida decente com outro do mesmo sexo.
As coisas ainda caminham devagar (acho), mas já atingimos muitas quilometragens desse percurso, dessa estrada.
Os gays atualmente (muito mais nas grandes metrópoles, claro) se permitem, se colocam como pessoas donas de um histórico, de uma vida pregressa, presente e com um possível belo futuro.
Não tem aquele velho ditado: a primeira imagem é a que fica?
A promiscuidade, como vc disse, é uma desculpa aos intolerantes [que pode gerar muita violência ainda], mas é também cultural.
Beijão.

Junnior disse...

Ah, adorei o seu blog, já estou incluindo na minha lista pra acompanhar, ok?

Ro Fers disse...

Uaua, que post bacana!
Porém o assunto é tão complexo, e polêmico.
Infelizmente os gays ainda têm essa fama de promuscuidade, mas porque só os héteros podem ser pegador/ comedor ou periguete/ galinha?
Somente eles podem beijar tudo e todos em micaretas.
Enfim, na realidade eu me cobro muito para evitar ser promiscuo, mas ultimamente estou achando esse termo pesado, que só há no meio gays.
Forte abraço!

lipico disse...

Ok, beleza, mas vamos concordar que as chances de se pegar alguma doença aumentam e MUITO ao ser "promíscuo" e sair por aí pegando tudo que respira, correto?

Jeferson Paz disse...

Concordo com o fato de a promiscuidade ocorrer em qualquer grupo de pessoas. Respeito quem opta por ter relacionamentos abertos, respeito que opta por ser solteiro e ter múltiplos parceiros. Não tenho muita afinidade com pessoas assim, não namoraria, pois gosto de relacionamentos a maioria delas dificilmente consegue se desvincular da vida de solteiro. O que me incomoda e muito no meio gay são pessoas que se dizem monogâmicas, se relacionam unicamente com pessoas que são de FATO monogâmicas mas por debaixo dos panos seguem transando por aí com outros parceiros, mas (vejam só) NÃO ADMITEM que o parceiro façam o mesmo. Querem uma liberdade unilateral. Isso não é promiscuidade, é falta de ética e caráter mesmo. Eu, enquanto homem que prefere relações monogâmicas procuro me envolver com pessoas que vivam a monogamia como eu e sejam fieis. Tudo são acordos. Assim como o casal liberal tem o acordo de cada um poder continuar transando com outros parceiros, o casal monogâmico tem o acordo da fidelidade. A promiscuidade começa quando se passa por cima de tudo, da ética, dos sentimentos de outra pessoa para se ter prazer. Existe muito preconceito também com quem pensa como eu. Somos taxados de certinhos (como se tratar as pessoas como gostariamos de ser tratados fosse algo ruim), sem sal, reprimidos e até escravos do padrão heteronormativo de comportamento (kkkkkk, essa sempre me faz rir). Quanto a transmissão de doenças eu acho que mesmo que hajam doenças que não podem ser prevenidas com o preservativos, devemos lembrar que algumas pessoas praticam o bareback adoidado. Ok, a vida é delas, mas a questão é mais complexa. É uma questao de responsabilidade social. Temos SIM que nos cuidar por nós e pelos outros. Eu não gosto de pagar impostos para que um babaca que tem fetiche por transar sem camisinha mesmo sabendo que é portador de HIV, por exemplo, tenha seus remedinhos garantidos, pois quando ele se expôs ao risco nem pensou em ninguém.