Procure Edições Antigas

sábado, 23 de abril de 2011

Especial

"Sempre precisei
De um pouco de atenção

Acho que não sei quem sou
Só sei do que não gosto
Nesses dias tão estranhos
Fica a poeira se escondendo pelos cantos
"


(Teatro dos Vampiros - Legião Urbana)




Eu sempre fui assim, meio carente. E não digo isso do ponto de vista sexual, sabe? Eu sou carente de atenção. E, curiosamente, eu sempre fui muito fechado. Talvez pelo fato de as pessoas se interessarem tão pouco pelos meus problemas, eu criei um espécie de trava para compartilha-los. E olha, de fato, essa minha caracteristica sempre passou despercebida pelas pessoas que me cercam.

O Fato é que eu sempre quis ser especial, sabe? Não digo especial do tipo uma celebridade, que todos amam, tem a atenção de todos. Eu queria a atenção de uma pessoa, só uma. Sabe aquela sensação de que você é sempre o coadjuvante na vida das pessoas? De que você passaria despercebido? De que você não faria nenhuma falta, pois é apenas um acessório? E um acessório bem apagadinho, diga-se de passagem. 

As pessoas nunca me notaram muito, a minhavida toda. Não, eu nunca me importei com isso. Convivo com isso há tanto tempo que aprendi a lidar. Mesmo assim, de alguma forma, eu sempre me vejo procurando uma maneira quase que inconscientemente de chamar a atenção dos outros, seja deixando os cabelos compridos, seja me sobressaindo em provas de vestibular. Mas essas coisas não adiantam muito, sabe? Vc chama atenção por um tempo, mas é tudo tão surperficial. As superfícies são tão frágeis, se degradam e são substituidas por outras novas. Mas nada efetivo. De modo que eu nunca me senti plenamente especial na vida de ninguém.

É claro, todo esse blablabla até aqui não importa de nada... Vocês sabem muito bem que eu não me importo com a sociedade, aliás eu acabei de falar que aprendi a lidar com isso ao longo do tempo. Não me importo mesmo se a sociedade está me notando ou não. Vocês sabem onde eu quero chegar com essa história toda: ser especial para alguém. Eu sempre fui um romântico, daqueles mais bregas, de escutar canções de amor, de ler histórias de amor, de gostar da novela das 21h. E, mesmo percebendo o quanto aquele amor foge a realidade, eu sempre quis ter algo parecido com aquilo: algo recíproco, intenso... Aquilo de ficar pensando na pessoa amada, e de a pessoa amada também ficar pensando em você... Eu sempre sonhei com isso, não só com o conteúdo, mas principalmente com a reciprocidade.

Sempre fiz questão de demonstrar quando gosto de alguém, ou o quanto a companhia da pessoa me faz bem, o quanto eu valorizo a amizade de alguém. Não me lembro de ter recebido muita coisa em troca... Teoricamente eu nem deveria esperar nada em troca, e realmente, do ponto de vista da amizade, eu nunca esperei mesmo, sempre fui feliz em ser bom com meus amigos, isso sempre me fez bem, independentemente de eu receber algum tipo de ação recpiroca ou não. Mas acho que quando se trata de amor, essa coisa de esperar é meio que involuntária... E a reciprocidade? Eu sei, sou egoista, egocentrico... Penso em mim, só em mim, e tudo que eu faço para os outros é esperando um retorno para mim. Pode me chamar de Mr. Ego agora. Como é que pode o fato de eu querer reciprocidade ter se tornado em um pecado tão grande?

Eis uma coisa que eu sei que não posso exigir... Reciprocidade. Não devo exigir? Por que, é pedir demais? Não seria o mínimo? Essas coisas me deixam confuso, me desnorteiam... Como agir sem ter certeza? Por que o ser humano gosta tanto das entrelinhas? Tem cursinho de entrelinhas? Poderia fazer depois que eu terminar o inglês.... Por que as coisas não podem ser mais diretas? Teria a mesma graça se não fosse? E essa porra de amor, pra que que serve? Só para torrar nossa paciencia, e nosso cérebro tentando ler as tais entrelinhas... Eu só queria um pouco de atenção, atenção espontânia... Ser lembrado por alguém, fazer a diferença para alguém, dar tesão em alguém, não sair da cabeça de alguém... Nossa, que mistura, quantas exigencias... Essa pessoa existe? Será que existe? Eu quero, mas nunca vou ter certeza... Nunca, a palavra proibida!

Talvez eu tenha certeza de sua existência sim, assim que encontrá-lo e olha-lo nos olhos e dizer-lhe a verdade... nas entrelinhas, é claro. Sem elas não é a mesma coisa, não tem graça, né? Ah, a esperança da certeza nos olhos dele... E se não tiver certeza já não mais importa, porque eu estarei em seus olhos. O problema reside no seguinte: Será que vou encontrá-lo (de novo) (logo)? Essa é a pior das icertezas...


"Vamos lá tudo bem
Eu só quero me divertir
Esquecer dessa noite
Ter um lugar legal pra ir
Já entregamos o alvo e a artilharia
Comparamos nossas vidas
Esperamos que um dia nossas vidas possam se encontrar



Quando me vi tendo de viver
Comigo apenas e com o mundo
Você me veio como um sonho bom
E me assustei
Não sou perfeito
Eu não esqueço
A riqueza que nós temos
Ninguém consegue perceber
E de pensar nisso tudo
Eu, homem feito
Tive medo e não consegui dormir"

(Teatro dos Vampiros - Legião Urbana)

Perguntas, respostas, mais perguntas... Vocês já devem estar cansados desse texo nem um pouco fluido e demasiado confuso. Eis-me aqui, não é verdade? Um cara confuso, acima de tudo... Pelo menos deu para espantar uns fantasmas e demônios que estavam presos aqui dentro... rs
Um beijo a todos... Até o próximo



31 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Eu gosto de você. Muito. O resto, afilhado, em julho ou setembro eu te digo pra não parecer sermão - que eu detesto.

Antonio de Castro disse...

eu sei que as entrelinhas não prestam, mas é que às vezes é tão difícil ser direto pra algumas pessoas.

e reciprocidade... que palavra feia.

pq a gte não fala só de bem-querer?

Anônimo disse...

Adorei o Post. Acho que uma hora vai aparecer essa pessoa que você tanto sente falta... Não se preocupe tanto e sempre faça o seu melhor. Gosto muito de você. Max =D

Raphael Martins disse...

Que bom que hoje em dia vc está mais aberto... abcs!!

Edu disse...

Posso ser sincero? Vai acreditar em mim? Pois bem: te acho MUITO especial. Mesmo. E tenho certeza que a pessoa certa vai achar também e te achar em breve.

Latinha disse...

Olha... devo confessar que você ganhou minha atenção...

Não me parece que uma pessoa que escreve um texto como esse, possa passar desapercebida por ai. Mas, muitas vezes, essa pessoa (e não estou dizendo que é o caso), possa por alguma razão ainda não ter tido a oportunidade de "desabrochar".

Como eu brinco, são muitas as variáveis... e um texto como esse exige mais reflexões do que um comentário, mas não sei.. ao "exigir" reciprocidade, me parece que você assume que já há uma situação de desvantagem para alguém. Reciprocidade é importante, e creio que deva ser algo natural... com alguém que esteja caminhando ao teu lado, vocês vão se apoiar mutuamente.

Enfim... são só comentários de quem por aqui acabou de chegar, mas se pudesse lhe dizer algo, diria que tenha um pouquinho mais de paciência... tudo com tempo tem tempo (como diria minha avó, e no seu tempo você vai ter a chance de experimentar tudo o que deseja!).

Gostei do texto, vou voltar para ler mais com calma. E fica o convite para você visitar "meu mundo de certezas e inseguranças" também! ;-)

Abração

Jovem Urso disse...

Caraca, eu me sinto assim também nos meus períodos de carência, mas daquela carência super punk que só falta eu ficar o dia todo na cama...

Mas um dia todo mundo encontra a "tampa da panela". Pelo menos é o que desejo pra todos, até pro meu pior inimigo, porque ser mal amado é pior do que ser mau por si só, IMO.

E sobre a amizade... bom, um pouco de reciprocidade não mata ninguém. Do que adianta ser amigo de uma pessoa, fazer muitas coisas por ela, correr atrás quando ela está distante sendo que ela não move nenhuma palha pra ficar perto de você e ainda reclama que 'você' é que está distante... Vish, desabafei sem querer, isso é assunto pra post, lol

Bjo e abraço, e me "adeda" no MSN, homem, xD

..::voy::.. disse...

'Sabe aquela sensação de que você é sempre o coadjuvante na vida das pessoas? De que você passaria despercebido? De que você não faria nenhuma falta, pois é apenas um acessório? E um acessório bem apagadinho, diga-se de passagem.'
eu não escolheria palavras melhores pra me definir...

abraços do voy

Candy disse...

Eu sempre me senti deslocado... Fora de contexto. Aprendi a lidar com isso e aprendi a ser o coadjuvante de todas as pessoas que me cercam, porque é melhor do que nem estar nessa novela, entende?

Quanto a reciprocidade, não é pecado desejá-la. Muito pelo contrário. Exigí-la é fundamental.

Bjs

FOXX disse...

esse tipo de reciprocidade q vc tá pedindo não pode não, vc tem q amar alguém pq gosta dela, não pq ela vai te devolver exatamente o amor que vc deu a ela, amor, namoro, não é uma relação de reciprocidade, é uma relação de doação. faça sua parte, ame como vc acha q deve amar, e aceite o amor que a outra pessoa tem pra te dar, do jeito q ele for, sem cobranças, será mais fácil e mais tranquilo.

Lobo disse...

Ser carente não é um comportamento condizente com alguém que anda nas sombras. Aqueles que se acostumaram a não serem notados perdem a necessidade de significarem algo para alguém. Pelo visto você ainda se importa, e ainda lhe resta algo de humanidade. Fique feliz, isso é uma coisa boa XD.

Daniel Braga disse...

Assim eu concordo com o comentário do FOXX, é bem dificil esse lance de reciprocidade, porque se amar dependesse só de UM, tudo seria mais fácil né? Mas é froid! Ai já viu...
O lance é aceitar.. e ponto. Sem objeções.

-> Obrigado pelo seu comentário viu? Ate a próxima.

*DB*

Thiago disse...

Olha, sobfre reciprocidade, eu não acho que seja algo que se exija, mas sim algo que você espera. Porque sincronia é uma coisa que surge de forma natural, a gente não pode forçar, querer dançar fora do ritmo da dança, porque aí fica aquela coisa que "não casa" sabe?
Bacios!

Cid disse...

Gostei demais do post....vc não está sozinho.ish...essa ultima frase parece coisa de arquivo x...rs
adicionado mais um blog pra ler....
abraço.

Ro Fers disse...

Tu demonstra ser um cara muito bacana, do tipo amigo para todas as horas, e concerteza alguém já está enxergando suas qualidades...
Não faça perguntas, não questione, apenas vive que as coisas acontecem naturalmente...
Forte abraço!

Jean Borges disse...

Se isso ajuda, vc não é o único nesta situação. Sofri tanto por isso, que agora estou indiferente... Desviei minhas energias para uma busca que acho renderá melhores frutos: conhecer, reconhecer e amar a mim mesmo! Bjo!

CIELLO disse...

eu chegando e eu me sentindo em casa. Lindo o texto. lindo mesmo e um desabafo sincero de quem é por assim dizer totalmente íntegro com seus sentimentos. VC É O MOULIN ROUGE, VC É AMELIE POULAIN como eu também sou. Pelo texto de hoje me identifico totalmente e sem medo de ser feliz... eu acredito que existe aquele alguém que fara de você o centro das atenções e vice-versa como um Bailar como em um baile constante pelos rodopios da vida!

um super bejio e obrigadissimo pelos elogios às minhas coxas, às crônicas e o carinho de cada comentário de sempre!!!!

e qdo eu for pro Rio...poderia organizar um encontrinho pra gente conversar... chame os cariocas tb!!!! bjo 2

melo disse...

olha aí pra cima.
viu como você faz a diferença?

claro, ser importante para alguém é outro assunto e sei que terás seu momento.

torço aqui.

pauloveras disse...

Gosto quando leio algo assim tao pessoal. E é tão bom ser carente não? Eu gosto. Me derreto mesmo. Colo, olhos, braços, risos... amo. Bom dia querido!

Latinha disse...

Olha, que atire a primeira pedra que nunca entrou na mão do outro a responsabilidade por ser feliz. Acho que muitas vezes fazemos isso como um sinal de confiança, ou então, queremos demonstrar o quanto estamos curtindo. Com o tempo, e os tombos, a gente entende que não podemos abrir mão de nada... qualquer pessoa que venha, vem para caminhar junto, não para ser mais ou menos que nós.

Quando li teu blogue eu vi que tinhamos muito em comum, eu também nunca fui de falar.. e no começo foi duro até escrever em um blogue, se você ler os posts de 2006, vai entender. Mas chega uma hora que a coisa fica pesada e não tem como ficar queito!

Obrigado pela visita e espero que volte mais vezes, meu bloguinho já teve fases mais inspiradas, mas estamos lá! ;-)

Abração!

Eduardo Paiva disse...

Olá Julio Cesar!

Me ví em todo o seu texto/desabafo.
Não é egocentrismo querermos um pouco de atenção, sermos notados, sermos especiais para alguém.
Sempre fui daqueles que prefere ver o bem estar do próximo e depois o meu próprio. Apesar de tomar muito na cabeça, sempre aguentar as pancadas da vida, não vejo isso como algo ruim.
Mas devemos primeiramente pensar no nosso bem estar, amarmos a nós mesmos antes de amarmos o próximo. Se não o fizermos, quem o fará por nós?
Seja especial para você mesmo! Cuide de seu próprio jardim, pois através dele, os pássaros e borboletas chegarão até você!

Parabéns pelo excelente Blog! Me identifiquei muito, visitarei sempre que possível!
Se puder dar uma pasada no meu: [http://www.eduardoouttakes.blogspot.com]
Forte abraço,
Eduardo.

Autor disse...

Eu acho que essa pessoa que nos faz sentir o mais especial do mundo uma hora surge.
Exatamente na hora em que vc não está procurando ou esperando...

Camila disse...

Júlio, obrigada pelo comentário no blog! e já peço desculpas pelos meus sumiços também... estou a um passo atrás de você, época de vestibular, já viu rs.

Vamos ao seu texto agora...
Não ficou confuso, pelo menos eu entendi muito bem. Talvez seja porque esteja na mesma linha de pensamento.
Essa coisa de realmente significar tudo na vida de alguém é algo que eu também busco, e por experiência própria, digo que as vezes cansa.
Cansa porque inequivocamente você acaba esperando que a pessoa retribua na mesma intensidade o que você oferece, e quando isso não acontece é inevitável uma decepção.

Confesso que li o texto esperando que o próximo parágrafo começasse dizendo que você finalmente encontrou tal pessoa... acho que sempre esperamos um final feliz, não é? rs
É o que eu espero.

Beijo, até o próximo! :)

Luane Dias disse...

Adorei seu post !
depois visita o meu, ta em construção ainda !
http://thegirlwomansopendiary.blogspot.com/
bjs =*

Latinha disse...

Boa Semana! ;-)
Abração!

VoxVOX disse...

Júlio, sinceramente, eu acho q essa reciprocidade existe e quere-la não é nada demais ... Uma hora acontece ... Na minha vida só aconteceu qdo deixei as coisas fluirem e controlei minha ansiedade ... Outra coisa, as vezes procuramos nos lugares mais prováveis mas menos efetivos: ex. Baladas, boates, etc. O lance é relaxar e viver um dia de cada vez ... VoxBeijos

DMalk disse...

lolz vc não sabe o quanto eu me indentifiquei com esse texto...

Aiiii vou demorar um tempo pra me atualizar nos seus post's kra, mas vamos com calma que você digita muito xP...

te a proxima Julio...

Sanches Ruiz disse...

Quando você está com alguém.. se entregar é necessário.. afinal, o dia só é vivido uma vez! Os riscos fazem parte.

Tom disse...

por um tempo, fiquei sem saber o que comentar... me vi demais em teu post...
Então, direi algo que uma pessoa me disse semana passada: não importa quando aquilo que você mais deseja chega, você vai continuar se sentindo insatisfeito porque simplesmente não aprendeu a se satisfazer consigo mesmo."
Grande abraço, e bora nóis!

melo disse...

vamos atualizar aqui, vamos?

inconstanteblog disse...

Reciprocidade... não dá pra gostar de alguém esperando que ela goste de nós de volta, muito menos da mesma forma, na mesma intensidade.

E, via de regra, acho que a gente gosta e pronto. Sendo ou não recíproco.

No entanto, não consigo imaginar qualquer relação não interesseira, uma relação onde o sentimento é o fim, o amor, por exemplo, não acho que seja fim, ele é meio para fazer 2 pessoas felizes juntas... a reciprocidade não é o que origina uma relação, mas o que dá continuidade a ela.

Toda relação parte do interesse mútuo de um no outro. Esperar reciprocidade não é pecado, mas pensar relações (as mais diversas), fazer coisas pensando no retorno que se pode ter, ah, isso eu confesso que acho mais estranho...

Um xêro e até breve!